É chamada de “Energia renovável” aquelas fontes de energia baseadas no uso do sol, vento, água ou biomassa vegetal ou animal -entre outras-. Caracterizam-se por não utilizarem combustíveis fósseis -como acontece com as energias convencionais-, mas sim recursos passíveis de renovação ilimitada. Seu impacto ambiental é de menor magnitude, pois além de não utilizarem recursos finitos, não geram poluentes. Seus benefícios vão desde a diversificação da matriz energética do país ao fomento da indústria nacional; e do desenvolvimento das economias regionais à promoção do turismo.

Energia eólica

A energia eólica refere-se às tecnologias e aplicações nas quais a energia cinética do vento é utilizada, convertendo-a em energia mecânica ou elétrica.

Existem dois tipos principais de máquinas que aproveitam a energia contida no vento: os moinhos, que se destinam principalmente ao bombeamento mecânico de água (algo muito comum no campo), e as turbinas eólicas, equipamentos especialmente projetados para a produção de energia elétrica.

As províncias de Santa Cruz, Chubut, Río Negro e Buenos Aires concentram o maior potencial eólico argentino.

Energia solar

Energia esta que, por conversão em calor ou eletricidade, aproveita a radiação do sol.

Nosso planeta recebe do Sol uma grande quantidade de energia por ano, da qual apenas 40% é utilizável, uma cifra que representa várias centenas de vezes a energia atualmente consumida em todo o mundo; é uma fonte de energia descentralizada, limpa e inesgotável que pode ser transformada em eletricidade de duas maneiras:

Energia solar térmica: usa uma parte do espectro eletromagnético da energia do sol para produzir calor. A transformação é feita por meio de coletores térmicos. Seu principal componente é o coletor, por onde circula um fluido que absorve a energia irradiada do sol.

Energia solar fotovoltaica: usa a outra parte do espectro eletromagnético da energia solar para produzir eletricidade. A partir do efeito fotoelétrico, a transformação é realizada por meio de células fotovoltaicas, semicondutores sensíveis à luz solar que fazem circular uma corrente elétrica entre suas 2 faces. Um conjunto de células conectadas entre si formam painéis ou módulos solares fotovoltaicos.

Biomassa

“Biomassa” é chamada de qualquer porção orgânica de plantas, animais e várias atividades humanas. O termo “biomassa” engloba uma série variada de fontes de energia: desde a simples combustão de lenha para aquecimento até usinas térmicas para produção de eletricidade, utilizando resíduos florestais, agrícolas, pecuários ou mesmo “culturas energéticas” como combustível, passando pelo biogás. ou lodo de esgoto, para biocombustíveis.

Qualquer tipo de biomassa provém da reação da fotossíntese das plantas, que sintetiza substâncias orgânicas a partir do CO2 do ar e outras substâncias simples, aproveitando a energia do sol.

Biogás

Embora também seja biomassa, nos referimos a esse fluido como o produto gasoso obtido da decomposição da matéria orgânica pelo processo biológico de digestão anaeróbia em um ambiente deficiente em oxigênio e por meio de bactérias específicas.

Esse gás geralmente se refere à mistura de metano e dióxido de carbono, com pequenas proporções de hidrogênio, nitrogênio e sulfeto de hidrogênio. O percentual de metano o caracteriza como um combustível com poder calorífico adequado para combustão em motores geradores que produzem energia elétrica.

Biocombustíveis

Por biocombustíveis entende-se o bioetanol, o biodiesel e mesmo o biogás produzido a partir de matérias-primas de origem agrícola, agroindustrial ou orgânica.

Além de serem utilizados como combustíveis para a produção de energia elétrica, são incorporados como corte de combustível convencional.

Pequenas Obras Hidrelétricas

A fonte hidrelétrica consiste na conversão da energia cinética e potencial gravitacional da água, em energia mecânica que finalmente se transforma em energia elétrica.

De acordo com o “Regime Nacional de Promoção do Uso de Fontes de Energia Renovável para a Produção de Eletricidade”, a categoria de “Pequeno Uso” corresponde na Argentina às usinas hidrelétricas com até 50 megawatts de potência instalada.

Tecnicamente, esta fonte inclui tanto os usos chamados de “acumulação” (água represada por dique) quanto os chamados “usos de passagem” (ou água corrente), embora os pequenos usos se enquadrem, em sua maioria, neste último modalidade.

A geração de energia a partir de um córrego é a fonte de energia renovável mais amplamente usada no mundo para gerar eletricidade.

Geotérmico

Por definição, entendemos energia geotérmica como aquela que, aproveitando o calor que pode ser extraído da crosta terrestre, se transforma em energia elétrica ou calor para uso humano ou em processos industriais ou agrícolas.

A geração de energia elétrica a partir da energia geotérmica é baseada na utilização do vapor gerado naturalmente, em turbinas a vapor que alimentam um gerador elétrico.

Na Argentina existem pelo menos 4 pontos geotérmicos de interesse para a geração de eletricidade, dois deles na província de Neuquén (Copahue e Domuyo), outro em Tuzgle (Jujuy) e o quarto no Valle del Cura (San Juan).